Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ombro

por S, em 31.08.07

 

No meio deste segundo em que te espero

passam horas, passam dias, passam meses

passam por mim a correr tantas vezes

noites sem fim em que ainda te quero

 

Já não é por ser de ti que me escondo

e não é o que me obrigo a esquecer

nem é tudo o que ficou por dizer

mas é a solidão de ti que em mim vou pondo

 

É sempre sozinha que sinto o assombro

que a simples lembrança de ti me provoca

e só já não és tu que a minha alma invoca

por me ser já tão suficiente o teu ombro

 

Pudesse eu encostar o rosto no teu peito

e sentir-te amparo no meu medo

amar-te-ia para sempre em segredo

como te amo agora sem nunca o ter feito

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:44

Frio

por S, em 30.08.07

Perguntei à suave brisa quente

de onde vinha, quem a trazia

e ela respondeu-me que começava ali mesmo

onde eu, parada, a sentia

que estava só, como sós estão sempre

todas as coisas que correm

todas as coisas que morrem

e não são mais do que uma passagem

por entre as que ficam porque se agarram à margem

 

Fala-me da solidão, pedi-lhe baixinho

diz-me de onde vem

e como encontra ela o caminho

para chegar sempre a quem a não tem

e encontrar sempre alguém já sozinho

 

Da solidão não sei, respondeu a brisa quente

porque mesmo só, sou querida por toda a gente

disse-me então a sorrir

 

E enquanto sentia a brisa quente

e ouvia o que ela me dizia

estendi a minha mão a pedir:

 

Sente como está fria.

 

Sabes porquê, brisa quente?

Sabes por que razão este frio que sinto, nem o teu calor acalma?

 

Sei sim, respondeu-me antes de ir.

 

Porque esse frio te vem da alma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48

Pé ante pé

por S, em 29.08.07

Adormeço as memórias que vivem em mim

embalo-as, aninhadas nos meus braços

vejo nos seus olhos tristes os sorrisos, já baços

que se escondem quando as embalo assim

 

Tão suavemente adormecidas

num canto qualquer da minha alma

sinto como inspiram a calma

enquanto se julgam esquecidas

 

Mas eis que despertam novamente

talvez por sentirem passos de gente

e chamam por mim, pedindo abraços

 

E eu, sorrindo-lhes, mostro-me presente

brinco com cada uma, demoradamente

e volto a ter os seus sorrisos, tão escassos

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

Náufraga

por S, em 21.08.07

Dada à costa, envolta em espuma salgada,

onda que se desfaz em doçura,

que cada grão de ti, sedenta, procura

e invade quando chega e quando parte.

 

Tenho em mim o pôr-do-sol e a alvorada

mas não tenho o engenho e a arte

de enrolar-me, suave, aos teus pés

e viver encantada em cada um

dos castelos de areia que és.

 

E naufrago.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:24

Risco

por S, em 18.08.07

Dentro do meu peito, sem parar

bate alheio a mim, em descompasso

um resto de ti que teima em ficar

uma presença tua em cada caminho que faço

Carrego-te na alma em forma de traço

faço rascunhos de nós em papel

e se tento rasgar-te de mim, pedaço a pedaço

colada ao traço que és, vai rasgada a minha pele

Agora sei que é teu o foro

porque é dentro de mim que te trago

incenso que me invade cada poro

consigo riscar-te, mas não te apago

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18

Atormentada

por S, em 10.08.07

 

Que fogo é este, que me consome

e que intensidade é esta, que me empurra?

que frio é este e porquê esta fome

que na minha alma corre e me esmurra?

 

Porquê, a qualquer momento

e quando não quero pensar?

por que razão me morde este tormento

e me faz sorrir e me faz chorar?

 

Já basta que venha quando o chamo

quando me apetece bater no mundo

sorvê-lo e dizer-lhe que o amo

mesmo sabendo que bateu no fundo

 

Porquê eu?

Por que me corre nas veias todo este sangue diferente?

Se sou apenas criança que cresceu

Por que tenho em mim toda a esperança que não morreu?

Por que rio e choro eu com a força de tanta gente? 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:17

The time has come

por S, em 07.08.07

Kyrie eleison
Christe eleison

Je ne dors plus
(The time has come)
Je te desire
(The time has come)
Prends moi
Je suis a toi
Mea culpa

Je veux aller au bout de mes fantasmes
Je sais que c'est interdit
Je suis folle. Je m'abandonne
Mea culpa

Kyrie eleison
Christe eleison

Je suis la et ailleurs
Je n'ai plus rien
Je deviens folle
Je m'abandonne
Mea culpa

 

Je ne dors plus
Je te desire
Prends moi
Je suis a toi

Kyrie eleison
Christe eleison

Je suis la et ailleurs
Je veux tout
Quand tu veux
Comme tu veux


Mea culpa

 

("Mea culpa" - Enigma "MCMXC A.D.")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32

Ode a duas princesas e uma rainha

por S, em 04.08.07

Existo apenas, no meio de vós

duas princesas e uma rainha

entrelaçadas em mim à força de nós

três vidas que são uma só e que é só minha

 

Sou serva, sou aia que vos segue a cada passo

sou guerreiro que vigia as portas do castelo

sou a que vos acolhe, embevecida, no regaço

e em cada sono febril,  sou a que vos velo

 

Sou ramo maior da árvore que me gerou

e no fim dos meus braços está o amor

que subiu da raíz, passou por mim e se aninhou

nos vossos olhos de amêndoa em flor

 

Sou a que estará, sempre que for preciso

onde estiverem uma rainha e duas princesas

para transformar uma lágrima num sorriso

e apagar a luz do medo para que vejam as estrelas acesas

 

Sou quem por vós dará a vida

e a que a tirará num só gesto a quem vos ferir

a que vos defenderá sempre com a força desmedida

de uma alma que vive para vos ver sorrir

 

 

Reverencio-me, vossas (tão minhas) altezas, diante de vós

Senhoras de toda a minha alma, de todo o meu ser

que me veneram e que eu venero quando estou a sós

pela felicidade, pelo orgulho e pela honra de vos ter

 

(E., M., M.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20

Triunfo

por S, em 02.08.07

Eis que chega, altivo

depois de uma espera serena

sempre presente e cativo

quem sentiu que valia a pena

 

É agora a voz que falará mais alto

ao meu lado, à minha frente, atrás de mim

chegou altivo, tomou de assalto

quem passou fronteiras e triunfou por fim

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:09


Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2007

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D